Páginas

sábado, 24 de junho de 2017

PAPELÃO:Senado manobra para livrar Aécio

O presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), informou hoje (23) que indeferiu, por falta de provas, o pedido de abertura de processo para cassação do mandato do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). De acordo com João Alberto, os membros do Conselho de Ética têm dois dias uteis para recorrer da decisão, desde que tenham apoiamento de, pelo menos, cinco integrantes do colegiado.
O pedido de abertura de processo de cassação foi apresentado pela Rede e pelo PSOL depois que Aécio foi citado na delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo JBS. Os partidos oposicionistas argumentam que houve quebra de decoro parlamentar pelo senador.
Caso o Conselho de Ética derrube a decisão de indeferimento e abra o processo, o senador afastado Aécio Neves será notificado e terá até 10 dias para apresentar a defesa prévia. A partir daí, o relator tem mais cinco dias úteis para apresentar seu relatório preliminar. O responsável por relatar o caso é escolhido por meio de sorteio entre os membros do conselho.
Segundo o depoimento do empresário Joesley Batista, Aécio teria pedido R$ 2 milhões em propina para pagar despesas com sua defesa no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. A denúncia motivou o afastamento do senador pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Esta semana, a Corte Suprema adiou o julgamento do pedido de prisão preventiva do senador, apresentado pela Procuradoria-Geral da República. Ainda não há data para a retomada do julgamento

Avião que levava Gilmar Mendes ao Pará sofre pane e volta a Brasília

0fed868c08
O avião em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes viajava na noite desta quinta-feira sofreu uma pane e precisou voltar a Brasília. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estava em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) que voltou ao aeroporto de onde decolou assim que os pilotos identificaram a falha técnica.
A FAB não detalhou a pane. Segundo o portal “Poder 360”, o avião decolou de Brasília às 18h45m com destino a Belém, no Pará, onde Gilmar Mendes visitaria o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do estado. A aeronave retornou à capital federal e pousou às 19h45m, por conta da falha técnica. Segundo a Força Aérea, a segunça dos passageiros não foi ameaçada.

Evento lançará feira para agricultores familiares e artesãos da Maísa


Unir forças para fortalecer a agricultura familiar numa das comunidades rurais mais ativas da região de Mossoró. Com este intuito será realizada no próximo mês de julho a primeira edição da Feira Cultural do Campo (Fecamp).
O evento marcado para começar no dia 7 de julho será realizado na Vila Maisa e pretende reunir milhares de pessoas no fortalecimento da produção rural e artesanal de comunidades circunvizinhas. “Nos dias 7 e 8 serão realizadas exposição e mostra cultural, além do concurso de A Mais Bela Voz. No dia 9 faremos o lançamento da feira que passará a ser fixa”, destaca Sandro Moreto, um dos coordenadores da Fecamp.
Segundo Sandro Moreto a Fecamp será realizada em sua primeira edição e terá como principal objetivo valorizar a produção local favorecendo a abertura de mercado para pequenos agricultores.
“É a primeira edição. Queremos resgatar uma feira que já existia, mas com um perfil diferente. Vamos valorizar o agricultor da agricultura familiar e o pequeno artesão”, destaca o coordenador.
Segundo Moreto, a feira será mantida permanentemente a cada domingo, já a partir da conclusão do evento.  “Após o evento será mantida uma estrutura fixa que favorecerá a comercialização de produtos da região. As feiras serão realizadas das 6h às 10h a cada domingo”, reforça Moreto.
A expectativa é de que o evento mobilize cerca de cinco mil pessoas que acompanharão além da exposição dos produtos uma série de atividades destinada a mobilizar as comunidades da região.
“Pretendemos mobilizar umas cinco mil pessoas durante o evento. Pessoas da comunidade e de outras localidades, que após o evento terão uma alternativa para escoarem suas produções”, conclui Sandro Moreto.
Em meio as autoridades confirmadas para a solenidade de abertura consta o nome do governador Robinson Faria, que declarou apoio a iniciativa.

Com apenas 7% de aprovação, Temer amarga a menor marca em 28 anos, diz Datafolha

O Governo do presidente Michel Temer é bom ou ótimo para apenas 7% da população é o que aponta pesquisa Datafolha publicada neste sábado, 24, pela Folha de São Paulo. A gestão Temer é considerada ruim ou péssima por 69% do eleitorado e regular por 23%.
 
De acordo com o Datafolha, esta é a menor marca registrada em 28 anos. Segundo o instituto, somente José Sarney (PMBD) ficou abaixo desse patamar. Em setembro de 1989, o ex-presidente tinha apenas 5% de aprovação, em meio à crise da hiperinflação.
 
A impopularidade de Temer aumento desde que veio a público a delação da JBS, que jogou o presidente no centro da crise política nacional.
 
Foto: Reprodução/Datafolha
 
 
O novo levantamento do instituto ouviu 2.771 pessoas entre quarta-feira e a sexta-feira. Os novos números evidenciam a queda da popularidade do presidente, que, há dois meses, somava 9% entre os entrevistados que avaliavam a gestão como ótima ou boa. No fim de abril, 61% julgavam o governo como ruim ou péssimo e 28% enxergavam uma administração regular.
 
Dois meses atrás, a sua taxa de ruim e péssimo estava em 61% e a de ótimo ou bom, em 9%. Aqueles que o consideraram regular somavam 28% no final de abril.
 
Não souberam responder como avaliam hoje o governo Temer 2% dos entrevistados. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais e para menos. A nota do presidente caiu de 3 para 2,7.
 
Foto: Reprodução/Datafolha
 
 
A situação de Temer é pior que a de Dilma Rousseff (PT) às vésperas de ela sofrer impeachment. Em abril de 2016, a petista tinha 13% de aprovação e 63% de reprovação.
 
Além de Temer, Dilma e Sarney, apenas Fernando Collor atingiu índices tão negativos frente à população. Ele somava 68% de ruim e péssimo, em setembro de 1992, ao sofrer impeachment.