Páginas

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Carlos Eduardo é multado pela Justiça Eleitoral por propaganda irregular


O prefeito Carlos Eduardo Alves, candidato do PDT à reeleição, foi multado em R$ 5 mil por propaganda irregular. A decisão foi publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira.
A multa veio é punição pedida pelo Ministério Público Eleitoral e acatada pela juíza Suely Silveira, da 3ª Zona Eleitoral.
A multa foi imposta em razão de material de campanha de 2012 não ter sido removido pela equipe do prefeito.
À decisão, cabe recurso.

Atletas da Serra do Mel conquista vaga para a final do JERNS 2016


A equipe de futebol de campo da E E Pe José de Anchieta, dirigida pelo professor de educação física John Deohn, conquistou hoje, 26, sua vaga na grande final do Jogos Escolares do RN - JERNS 2016.

A equipe da E E  Pe Anchieta é formada pelos atletas: Edigleison Marinho, Fellipe Rafael, Cleiton Wesley, Allex almeida, Antonio Messias, Sávio Linhares, Sávio Zacarias, Wandson Thiago, Severino da Silva, Jonas Moura, Rafael Nobre, Jonas Oliveira, Douglas Soares, Erik Maranhão, Alex Nobre, Antonio Marcos, Marcos Antonio, João Víctor, Cleilton Galdino e Allan Lacerda.

O time serramelense venceu as quatro competições de fase e assemifinal e chega a final invicta. No primeiro jogo derrotou com uma goleada de 8x0 o time da E E José Gonçalves; goleou por 5x0 a equipe da E E Aída Ramalho; venceu por 2x0 a E E Raimundo Gurgel e o Eliseu Viana por 4x0. Hoje o time do caju derrotou a E E Jeônimo Rosado por 3x0, com dois gols de Rafael Nobre e um de Douglas Soares.

Artilharia
O atacante da EEPJA Rafael Nobre, marcou 8 gols dos 22 gols feito pela equipe serrana e é o artilheiro da competição, pena que o poder público não contabiliza os gols dos atletas, pois, o artilheiro não tem direito a premiação.

Na próxima segunda-feira, as 8:30 h, o time do Pe Anchieta enfrentará a equipe do Eliseu Viana no "Nogueirão" para a decisão da grande final do JERNS 2016, regional de Mossoró. 

O time campeão participará dos jogos em Natal/RN em outubro deste ano. A EEPJA contabiliza oito títulos regional e continua em busca do primeiro estadual. Ficamos na torcida para que este ano seja o ano de glória dos atletas da EEPJA.

Quase 30% de alunos do 9º ano do ensino fundamental já fizeram sexo, mostra pesquisa


Dos cerca de 2,6 milhões de estudantes que cursavam o 9º ano do ensino fundamental em 2015, 27,5% já haviam tido relação sexual (cerca de 723,5 mil). Em média, um aluno do 9º ano tem 14 anos de idade. Deste total, 39% (280,7 mil) não usaram preservativo na primeira vez e 33,8% (219,2 mil) não utilizaram na última relação sexual.
As informações fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar – Pense 2015 – e foram divulgadas nesta sexta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Das meninas do 9º ano que haviam tido relação sexual, 9% disseram já ter engravidado. Essa realidade era mais comum entre estudantes de escolas públicas (9,4%) do que entre as da rede privada (3,5%). Pouco mais de 1% das meninas do 9º ano do ensino fundamental declararam já ter engravidado alguma vez (23 mil meninas), sendo o maior percentual registrado na região Norte, (2,1%) e o menor na região Sudeste (0,7%).
Cerca de 105,2 mil (4%) estudantes do 9º ano relataram já ter sido forçados a ter alguma relação sexual. O percentual para meninos foi de 3,7% e para as meninas de 4,3%. Destes, um a cada três estudantes disse que o ato foi cometido por algum membro da família (pai, mãe, padrasto, madrasta ou outros familiares). A região Norte (5,3%), Roraima (7,3%) e Mato Grosso (6,2%) apresentaram os maiores percentuais.
Quanto à promoção de ações de prevenção e assistência em saúde, promovida pelas escolas, informando quanto à saúde sexual, os resultados revelaram que 87,3% dos alunos do 9º ano do ensino fundamental receberam informações, na escola, sobre doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e Aids.
“Não basta informar e dizer use camisinha, use pílula. Esse adolescente deve ser atendido em programas que trabalhem a percepção corporal, de identidade sexual, de valor como pessoa, dos riscos de uma gravidez. Você só vai usar camisinha se você tiver respeito a si próprio e ao outro”, comentou ela.
Há 40 anos trabalhando com adolescentes, a pediatra Evelyn Eisenstein, do Departamento de Adolescência da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), afirmou que o principal gargalo – no que tange à saúde dessa faixa-etária – é falta de um programa nacional de saúde.
“O Brasil precisa de campanhas de prevenção e programas nas escolas. Os adolescentes têm direito não apenas à informação, como também a programas de protagonismo juvenil”, disse e pediatra.”
Segundo Evelyn, o percentual de meninas entre 15 e 19 anos que engravidam no Brasil é muito mais alto que o relatado nas escolas, entre 20% a 23%, chegando a 30% em alguns estados. Entre 10% a 15% dessas meninas que engravidam são vítimas de violência e abuso sexual, ressaltou ela.
Cigarro, álcool e drogas ilícitas
Mais da metade dos estudantes do nono ano (55,5% ou 1,5 milhão) já havia consumido uma dose de bebida alcoólica alguma vez, percentual superior ao observado em 2012 (50,3% ou 1,6 milhão). No conjunto de estados e municípios das capitais, com maior e menor percentual de escolares do 9º ano que já experimentaram uma dose de bebida alcoólica, estão Rio Grande do Sul (68,0%) e Amapá (43,8%), Porto Alegre (74,9%) e Macapá (43,5%).
A proporção dos estudantes do 9º ano que já experimentou drogas ilícitas também subiu em relação a 2012, ao passar de 7,3% (230,2 mil) para 9% (236,8 mil ). Ainda segundo a pesquisa, em relação ao consumo atual de álcool e drogas ilícitas, respectivamente, 23,8% (626,1 mil) e 4,2% (110,5 mil) dos estudantes do 9º ano tinham feito uso dessas substâncias nos últimos 30 dias antes da pesquisa.
No que se refere à experimentação do cigarro, ela tem um crescimento relativo de aproximadamente 53,0% entre as duas faixas de idade analisadas. No grupo etário de 13 a 15 anos, a experimentação é de 19,0%, chegando a pouco mais de 29,0% entre os escolares na faixa etária de 16 a 17 anos.
No grupo de idades de 16 a 17 anos, 10% dos escolares experimentaram cigarros antes dos 14 anos de idade, aproximadamente 8% consumiram cigarros pelo menos uma vez nos últimos 30 dias anteriores à pesquisa, 53% estiveram em presença de pessoas que faziam uso de cigarros e em torno de 24% possuíam pais fumantes.
Quanto ao consumo de outros produtos do tabaco, pouco mais de 8% dos escolares de 16 a 17 anos de idade declararam fazer uso.
Na faixa etária de 16 a 17 anos, 73% dos escolares já experimentaram uma dose de bebida alcoólica. Pouco mais de 21% tomaram a primeira dose de bebida alcoólica com menos de 14 anos de idade e cerca de 60% possuíam amigos que consomem bebidas alcoólicas.
O indicador de consumo atual de bebida alcoólica, considerando as duas faixas de idade analisadas, cresceu 56,5%, passando de pouco mais de 24,0% entre os escolares de 13 a 15 anos de idade para quase 38,0% no grupo etário de 16 a 17 anos.
Bebidas
Em torno de 37% dos escolares de 16 a 17 anos de idade já sofreram com episódios de embriaguez e aproximadamente 12% deles tiveram problemas com família ou amigos porque haviam bebido.
Evelyn ressaltou que o uso de substâncias psicoativas na fase de crescimento e desenvolvimento do cérebro prejudica o desenvolvimento do adolescente.
“A pior droga do Brasil é o álcool. Esse uso é um fenômeno cultural e de marketing. Para você ser homem tem que ficar bêbado, como se fosse um ritual de passagem. Fora os patrocínios de bebidas alcoólicas em festas para jovens”, comentou ela.
“O Brasil precisa realmente de programas de educação em saúde com metodologias apropriadas para o adolescente. Além de vigilância, pois qualquer botequim ou posto de gasolina vende cerveja para adolescentes”.

Frutivila parou para ouvir as propostas de governo da coligação CARNAUBAIS PARA TODOS


A coligação CARNAUBAIS PARA TODOS, liderada pelo candidato a prefeito Thiago Cavalcante e  o seu vice Keide Soares.  realizou com sucesso  na tarde noite de ontem (25), sua caminhada no Frutibila. Acompanharam a programação os candidatos a vereadores: Lulu Carneiro, Robson Pinheiro, Chico Guerreiro, Luciano Moura, Terrinha, Kézinha de Neném de Sergio, Nicolau Cavalcante, Cortês, Patricia e Eliene Soares. 

Ao final das visitas, os carvaneiros da esperança realizaram uma concentração,  momento em que  apresentarem as propostas do programa de governo aos moradores presentes ao ato.

Candidatas de Mossoró, Natal e Macaíba foram os destaques no concorrido concurso Miss RN 2016

George Azevedo ladeado pela nova Miss RN Danielle Marion e Manoela Alves, Miss Rn 2015 (Foto: Elias Medeiros)
George Azevedo ladeado pela nova Miss RN Danielle Marion e Manoela Alves, Miss RN 2015 (Foto: Elias Medeiros)
Conforme havia prometido o organizador do concurso Miss RN 2016, jornalista e consultor de moda, George Azevedo, o evento foi realmente um espetáculo inesquecível. Também não era para menos. Na passarela montada no Teatro Riachuelo, em Natal, desfilaram as 26 mulheres mais belas do Rio Grande do Norte. E uma foi eleita a mais bonita do Estado entre todas que disputaram o título na noite passada.
Miss Natal 2016, Manuela Banhos, segundo lugar (Foto: Carlos Neto)
Miss Natal 2016, Manuela Banhos, segundo lugar (Foto: Carlos Neto)
A acadêmica de Direito e modelo Danielle Fernandes Marion, 25 anos, representante de Mossoró, é a Miss RN 2016. A segunda mulher mais bonita do território potiguar é a Miss Natal 2016, Manuela Banhos. Na terceira colocação ficou Aysla Góis, Miss Macaíba 2016.
Aysla Góis, Miss Macaíba 2016, terceira colocada (Foto: Elias Medeiros)
Aysla Góis, Miss Macaíba 2016, terceira colocada (Foto: Elias Medeiros)
Embora não tenha sido transmitido ao vivo, o Miss RN 2016 ganhará um programa exclusivo na Band Natal, que será veiculado às 22h deste sábado, 26, para o RN, Maranhão, Piauí e Alagoas.
Coroação da nova representante do RN no Miss Brasil 2016 (Foto: Elias Medeiros)
Coroação da nova representante do RN no Miss Brasil 2016 (Foto: Elias Medeiros)

Ufersa abre inscrições para Núcleo de Ensino de Música

Para participar, é exigida idade mínima de 16 anos e instrumento pessoal (violão).
Para participar, é exigida idade mínima de 16 anos e instrumento pessoal (violão).

A partir desta sexta-feira, 26 de agosto, a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), por meio da Pró-Reitoria de Extensão, abre inscrições para o Núcleo de Ensino de Música. As inscrições são gratuitas e vão prosseguir até a próxima quinta-feira, dia 30 de agosto.

Ao todo serão oferecidas 142 vagas, distribuídas em 04 cursos nos campi de Mossoró, Angicos e Pau dos Ferros. As vagas serão preenchidas de acordo com a ordem de inscrição. É exigida idade mínima de 16 anos e instrumento pessoal (violão). Faça AQUI a inscrição.
Os cursos terão duração de um ano (dois semestres), com início previsto para o dia 05 de setembro. O Núcleo de Música da Ufersa reserva 50% das vagas para estudantes e servidores da Universidade e 50% para comunidade externa. São cursos de Teoria e Percepção Musical (teoria), Prática Coral, Violão e, Prática de Conjunto. Para certificação é exigido aproveitamento de 75% das atividades.
Os selecionados deverão efetuar matrícula no dia 01 de setembro, nas Coordenações de Extensão, dos respectivos campi, no horário das 07h30min às 11h00minhe, das 13h30 às 17h. Para a matrícula é exigido uma cópia do RG ou CNH, 01 foto 3×4 e comprovante de endereço.
Confira AQUI o edital de seleção.

Quase 30% de alunos do 9º ano do ensino fundamental já fizeram sexo, mostra pesquisa


Dos cerca de 2,6 milhões de estudantes que cursavam o 9º ano do ensino fundamental em 2015, 27,5% já haviam tido relação sexual (cerca de 723,5 mil). Em média, um aluno do 9º ano tem 14 anos de idade. Deste total, 39% (280,7 mil) não usaram preservativo na primeira vez e 33,8% (219,2 mil) não utilizaram na última relação sexual.
As informações fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar – Pense 2015 – e foram divulgadas nesta sexta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Das meninas do 9º ano que haviam tido relação sexual, 9% disseram já ter engravidado. Essa realidade era mais comum entre estudantes de escolas públicas (9,4%) do que entre as da rede privada (3,5%). Pouco mais de 1% das meninas do 9º ano do ensino fundamental declararam já ter engravidado alguma vez (23 mil meninas), sendo o maior percentual registrado na região Norte, (2,1%) e o menor na região Sudeste (0,7%).
Cerca de 105,2 mil (4%) estudantes do 9º ano relataram já ter sido forçados a ter alguma relação sexual. O percentual para meninos foi de 3,7% e para as meninas de 4,3%. Destes, um a cada três estudantes disse que o ato foi cometido por algum membro da família (pai, mãe, padrasto, madrasta ou outros familiares). A região Norte (5,3%), Roraima (7,3%) e Mato Grosso (6,2%) apresentaram os maiores percentuais.
Quanto à promoção de ações de prevenção e assistência em saúde, promovida pelas escolas, informando quanto à saúde sexual, os resultados revelaram que 87,3% dos alunos do 9º ano do ensino fundamental receberam informações, na escola, sobre doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e Aids.
“Não basta informar e dizer use camisinha, use pílula. Esse adolescente deve ser atendido em programas que trabalhem a percepção corporal, de identidade sexual, de valor como pessoa, dos riscos de uma gravidez. Você só vai usar camisinha se você tiver respeito a si próprio e ao outro”, comentou ela.
Há 40 anos trabalhando com adolescentes, a pediatra Evelyn Eisenstein, do Departamento de Adolescência da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), afirmou que o principal gargalo – no que tange à saúde dessa faixa-etária – é falta de um programa nacional de saúde.
“O Brasil precisa de campanhas de prevenção e programas nas escolas. Os adolescentes têm direito não apenas à informação, como também a programas de protagonismo juvenil”, disse e pediatra.”
Segundo Evelyn, o percentual de meninas entre 15 e 19 anos que engravidam no Brasil é muito mais alto que o relatado nas escolas, entre 20% a 23%, chegando a 30% em alguns estados. Entre 10% a 15% dessas meninas que engravidam são vítimas de violência e abuso sexual, ressaltou ela.
Cigarro, álcool e drogas ilícitas
Mais da metade dos estudantes do nono ano (55,5% ou 1,5 milhão) já havia consumido uma dose de bebida alcoólica alguma vez, percentual superior ao observado em 2012 (50,3% ou 1,6 milhão). No conjunto de estados e municípios das capitais, com maior e menor percentual de escolares do 9º ano que já experimentaram uma dose de bebida alcoólica, estão Rio Grande do Sul (68,0%) e Amapá (43,8%), Porto Alegre (74,9%) e Macapá (43,5%).
A proporção dos estudantes do 9º ano que já experimentou drogas ilícitas também subiu em relação a 2012, ao passar de 7,3% (230,2 mil) para 9% (236,8 mil ). Ainda segundo a pesquisa, em relação ao consumo atual de álcool e drogas ilícitas, respectivamente, 23,8% (626,1 mil) e 4,2% (110,5 mil) dos estudantes do 9º ano tinham feito uso dessas substâncias nos últimos 30 dias antes da pesquisa.
No que se refere à experimentação do cigarro, ela tem um crescimento relativo de aproximadamente 53,0% entre as duas faixas de idade analisadas. No grupo etário de 13 a 15 anos, a experimentação é de 19,0%, chegando a pouco mais de 29,0% entre os escolares na faixa etária de 16 a 17 anos.
No grupo de idades de 16 a 17 anos, 10% dos escolares experimentaram cigarros antes dos 14 anos de idade, aproximadamente 8% consumiram cigarros pelo menos uma vez nos últimos 30 dias anteriores à pesquisa, 53% estiveram em presença de pessoas que faziam uso de cigarros e em torno de 24% possuíam pais fumantes.
Quanto ao consumo de outros produtos do tabaco, pouco mais de 8% dos escolares de 16 a 17 anos de idade declararam fazer uso.
Na faixa etária de 16 a 17 anos, 73% dos escolares já experimentaram uma dose de bebida alcoólica. Pouco mais de 21% tomaram a primeira dose de bebida alcoólica com menos de 14 anos de idade e cerca de 60% possuíam amigos que consomem bebidas alcoólicas.
O indicador de consumo atual de bebida alcoólica, considerando as duas faixas de idade analisadas, cresceu 56,5%, passando de pouco mais de 24,0% entre os escolares de 13 a 15 anos de idade para quase 38,0% no grupo etário de 16 a 17 anos.
Bebidas
Em torno de 37% dos escolares de 16 a 17 anos de idade já sofreram com episódios de embriaguez e aproximadamente 12% deles tiveram problemas com família ou amigos porque haviam bebido.
Evelyn ressaltou que o uso de substâncias psicoativas na fase de crescimento e desenvolvimento do cérebro prejudica o desenvolvimento do adolescente.
“A pior droga do Brasil é o álcool. Esse uso é um fenômeno cultural e de marketing. Para você ser homem tem que ficar bêbado, como se fosse um ritual de passagem. Fora os patrocínios de bebidas alcoólicas em festas para jovens”, comentou ela.
“O Brasil precisa realmente de programas de educação em saúde com metodologias apropriadas para o adolescente. Além de vigilância, pois qualquer botequim ou posto de gasolina vende cerveja para adolescentes”.

Propaganda eleitoral começa hoje no rádio e na TV

Na televisão, os programas serão das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40, de segunda a sábado.
SELO-ELEICOES-2016
A propaganda eleitoral no rádio e na televisão começa hoje (26) em todos os estados, exceto no Distrito Federal, onde não há eleições para prefeito e vereador. Nas eleições deste ano, o período de propaganda foi reduzido de 45 para 35 dias, com as mudanças provocadas pela minirreforma eleitoral (Lei 13.165/2015). O primeiro turno do pleito será realizado no dia 2 de outubro.

A propaganda para os candidatos a prefeito será das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10 no rádio. Na televisão, os programas serão das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40, de segunda a sábado. A nova norma acabou com a propaganda em bloco para o cargo de vereador. As inserções de candidatos a prefeito e a vereador serão veiculadas de segunda a domingo, ao longo das programações, das 5h à 0h. 
Debates
Ontem (25), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que as emissoras de rádios e televisão têm a palavra final sobre a participação de candidatos às eleições de outubro nos debates. Por 6 votos a 5, a Corte firmou o entendimento de que os candidatos que pertencem a “partidos nanicos” não podem ser impedidos de participar dos debates pelos demais concorrentes.

Potiguar Adriano Lima representará o Brasil nas Paralimpíadas


A delegação brasileira nos Jogos Paralímpicos terá mais seis atletas, com a suspensão da Rússia da disputa, que ocorre a partir do dia 7 de setembro, no Rio de Janeiro. O Comitê Paralímpico Brasileiro comunicou ontem (25) a inclusão de novos atletas, entre eles, na natação, o Norte-riograndense, natural de Nova Cruz, Adriano Lima, patrocinado pela Hazbun.
Aos 17 anos, enquanto trabalhava em uma obra, Adriano caiu do telhado e ficou paraplégico. A natação começou como um processo de reabilitação, mas acabou rendendo a ele oito medalhas paraolímpicas, em quatro participações consecutivas nos Jogos. O maior prêmio foi o ouro no revezamento 4x50m medley em Atenas-2004. O atleta ainda disputou os Jogos Paraolímpicos de Londres-2012, sem conquistar medalhas.
Os Jogos Paralímpicos 2016 serão transmitidos pela TV Brasil, em parceria com emissoras da Rede Pública de Televisão dos estados. O evento, que termina no dia 18 de setembro, terá a presença de cerca de 4.350 atletas de 160 países, competindo em 22 modalidades . Serão entregues 528 medalhas durante a competição.
Ficha técnica
Nome completo: Adriano Gomes de Lima
Data de nascimento: 21 de junho de 1973
Local de nascimento: Nova Cruz (RN)
Altura: 1,69m
Peso: 62kg
Bronze nos 50m livre classe S6 em Atlanta-1996
Prata nos 100m livre classe S6 em Sydney-2000
Prata no revezamento 4x50m livre em Sydney-2000
Prata no revezamento 4x50m medley em Sydney-2000
Bronze no revezamento 4x100m livre em Sydney-2000
Ouro no revezamento 4x50m medley classe até 20 pontos em Atenas-2004
Prata no revezamento 4x50m livre em Atenas-2004
Bronze no revezamento 4x50m livre em Pequim-2008
Curiosidade
Uma das modalidades que reúne o maior número de participantes, a natação compõe o programa paraolímpico desde a primeira edição dos Jogos, em Roma-1960. A natação é, depois do atletismo, a modalidade que mais rendeu glórias ao Brasil ao longo das edições dos Jogos Paraolímpicos. Ao todo, o país soma 83 medalhas, sendo 28 de ouro, 27 de prata e 28 de bronze.
Há algumas adaptações nas regras da Federação Internacional de Natação (Fina) para as disputas paraolímpicas. Dependendo da deficiência, os atletas podem largar de dentro da água, sentados ou ao lado do bloco de partida. Também há casos em que recebem auxílio do técnico ou de um voluntário para a largada. Já entre os deficientes visuais, o tapper é a pessoa que usa um bastão, com ponta de espuma, para avisar o atleta sobre o momento da virada e da chegada. Nesse caso, os óculos dos atletas são opacos, para assegurar a igualdade de condições na prova.
Os atletas com amputações podem usar próteses em diversas modalidades das Paraolimpíadas. No entanto, o uso delas é proibido na natação. Dessa forma, os competidores só podem usar o próprio corpo quando entram na piscina.

Prefeito de Assú dá trambique até em quadrilhas juninas

O prefeito de Assú, Ivan Júnior, não toma jeito. Dessa vez, ele enrolou as quadrilhas juninas que se apresentam tradicionalmente na maior festa da cidade, o São João mais antigo do mundo.
O prefeito prometeu nesse São João repasses de R$1.200 aos participantes e até agora nada de pagamento.  Os membros dos grupos juninos fizeram a postagem nas redes sociais das imagens abaixo, cobrando o compromisso do gestor que não é nada bom em cumprir palavra.
assu